Trilha Cidadã

Entre os dias 29 de outubro e 02 de novembro de 2010 aconteceu à segunda edição do Trilhando Novos Caminhos que reuniu 14 jovens das Pastorais da Juventude do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

Entre os momentos de integração e mística, nesta etapa foram trabalhados os conteúdos sobre Realidade Juvenil, Juventude Contemporânea e Violência, e Políticas Publicas para a Juventude. Segundo avaliação da turma o Trilhando levou a perceber as realidades juvenis que estão ao nosso redor e em outros lugares, bem como foi um espaço de partilha e vivência muito rica e animadora para a caminhada.

Sob a mística do caminho e do caminhar, e sobre as lindas palavras de Thiago de Mello que nos dizem que caminhamos cantando porque temos aqueles e aquelas vão conosco, na segunda feira a noite a missa contou a presença do Pe. Hilário Dick S.J., onde foi reafirmada a opção de um projeto de vida voltado para o trabalho com a juventude em seus diferentes meios. No final da celebração todos/as foram convidados/as presentear-se com pedras coloridas, simbolizando aquelas pessoas que encontramos no caminho, pessoas que com seu colorido e jeito próprio alegram nosso caminhar de opção pela causa do Reino!

As fotos da primeira etapa do Trilhando estão disponíveis em:

http://picasaweb.google.com/RaliseComunica/TrilhandoNovosCaminhos1Etapa07#

Povo sem vez e sem voz
Com fé, esperança atua
Todo ano vai à rua
Gritar para ser ouvido

O Grito é um espaço de participação livre e popular, onde os movimentos sociais, pastorais socias, ONGs e entidades querem chamar a atenção da sociedade para as desigualdades sociais no Brasil, ao mesmo tempo que trazem o anseio por mudanças.

Quando e onde? 7 de setembro, em Porto Alegre

Que horas? A concentração será a partir das 8h30min, no Largo Glênio Peres, em frente ao Mercado Público. Segue após pela Borges de Medeiros e com encerramento na Redenção.

As Pastorais da Juventude e o Levante Popular da Juventude, na parte da tarde, a partir das 13h30min, no Pão dos Pobres (Rua da República, 801 – Cidade Baixa) promoverão oficinas pautando a Campanha Nacional Contra a Violência e o Extermínio da Juventude!

Participem desta mobilização!

Jovens de caras pintadas, ocupando as ruas e espaços públicos, mostrando toda a sua alegria e jeito de viver. Até aparece que estamos lendo uma notícia de alguns anos atrás. Não se engane. Neste final de semana, 21 e 22 de agosto,  aconteceu uma grande manifestação envolvendo jovens da região metropolitana na cidade de Cachoeirinha. A atividade foi organizada pela Pastoral da Juventude em parceria com o Comitê Municipal Contra a Violência e o Extermínio de Jovens.

A ação teve por objetivo chamar a atenção da sociedade para os gritantes índices de mortalidade da juventude, em sua maioria, vítimas das drogas. O Brasil, atrás de Colômbia e Venezuela, é o 3º país com mais assassinatos de jovens no mundo. Isso se deve a uma taxa de 51,7 homicídios para cada 100 mil jovens. Taxa essa que entre 1994 e 2004 cresceu a um ritmo maior que o número de assassinatos entre a população total.

Para alertar a sociedade sobre essa realidade de morte, foram realizadas duas atividades no município. No sábado, os jovens estiveram em frente ao Shopping do Vale, local de maior movimentação de pedestres e motoristas, distribuindo materiais informativos. Durante a tarde do domingo, realizaram uma marcha até o Parcão de Cachoeirinha, local onde aconteceu um ato público pela vida dos jovens.


Fabrício Preto


Trilhar novos caminhos…

É necessário que caminhemos…. Os mais diversos caminhos que a vida pode nos mostrar. E nós, que escolhemos trilhar os caminhos do Reino sabemos das alegrias e desafios que ele nos mostra. Nossa opção de doação pela causa da juventude, de militância e de sonho pela construção de um Mundo Novo é construída coletivamente, nas vidas dos grupos, nas instâncias em que participamos, nos trabalhos que fazemos juntas e juntos em prol da defesa da vida.

Por isso, se faz necessário que, coletivamente, rezemos nossa caminhada, que a reflitamos tendo como fonte de força a Palavra de Deus, pois acreditamos e professamos que é assim, em comunidade, que Ele  revela-se a nós.

E é com muita felicidade e desejo de ser suporte às essas alegrias e desafios que nós, da Trilha Cidadã, queremos convidá-la e convidá-lo a trilhar conosco… E juntas e juntos partilhar nossa vida, nosso trabalho, nossos anseios e dúvidas, enfim, tudo aquilo que nos cerca e que nos faz sermos jovens sonhadores.

O Curso Trilhando Novos Caminhos que ser esse espaço de partilha, de oração, de encontro, de construção, de parada para pensarmos como estamos trilhando e vivendo com ardor e ânimo o trabalho de evangelização.


O que é?

É um grande concurso de          músicas e poemas, que este ano tem como tema a “Campanha Nacional contra a violência e o Extermínio de Jovens”!

O objetivo do Festival é envolver o maior número de pessoas nesta importante campanha através de duas ferramentas tão comuns entre as/os jovens: a música e a poesia.

Quem pode participar?

Qualquer pessoa, grupo ou banda, de qualquer idade e qualquer crença, que queira fazer ressoar o clamor pelo direito das e dos jovens à vida.

Por que falar sobre a Campanha contra o extermínio de Jovens?

Os maiores índices de morte e violência de nosso país envolvem jovens. Tal realidade não é uma coincidência ou uma fatalidade. Tem causas que precisam ser discutidas para que consigamos chegar a soluções concretas. As Pastorais de Juventude da Igreja Católica Romana, durante todo o ano, promoverão este tema, convidando assim toda a sociedade para este importante debate.

Só  posso falar sobre a Campanha?

Sim, o objetivo é  este! Mas o assunto é muito amplo, o que permitirá às/aos participantes exercitarem o seu poder criativo, relacionando o tema a outros sub-temas, como o DNJ, a CFE-2010, as diversas realidades locais etc.

Como funcionará  o Festival?

Simplicidade! Esta é  uma das palavras de ordem!

Mas não se esqueça da qualidade. Link das dicas sobre ter som audível, etc.

Mais informações no site do festival:  http://www.acordajuventude.com.br

 

Na quinta-feira, durante a São Leopoldo Fest, quase no final da tarde, no Picadeiro, como é conhecido o espaço que fica ao lado esquerdo do palco principal, ocorreu um bate papo com o Pe. Hilário Dick, autor da pesquisa “Para além de um monótono estribilho – violência e segurança na perspectiva juvenil em São Leopoldo”. A atividade foi aberta com a apresentação de uma peça de teatro. Os dois momentos somaram para a divulgação da campanha Chega de violência e extermínio de jovens, promovida pela Pastoral da Juventude, que tem como símbolo a mão vermelha representando os jovens que morrem por causa da violência.

Durante a roda de conversa, como define Pe. Hilário, responsável pelo Observatório Juvenil (Unisinos), que tem como arte pesquisar e trabalhar com a juventude, parece que só o jovem é violentado ou é responsável pela violência. “Na rua, na família, na escola. Estes são os locais apontados pela garotada, como o maior foco de violência. Precisamos de boas vivências grupais. No grupo o jovem encontra a felicidade, por encontrar amigos, paqueras, espiritualidade, entre outras coisas saudáveis”, relata afirmando ainda que mesmo nas Ganges exista o comunitário, sendo que o jovem se encontra em todos os espaços, buscando identidade. “Onde há bons grupos, não há violência. Em São Leopoldo tem muitos grupos bons”, finaliza expondo alguns dados: em 10 anos, 512 mil jovens foram mortos no Brasil. Comparando com a Guerra de Angola, que duraram 25 anos, contabilizou 550 mil mortos. Na Guatemala, uma guerra civil que durou 15 anos, 440 mil pessoas perderam a vida.

Conforme a Secretaria de Segurança do Estado, São Leopoldo não teve nenhum caso de latrocínio. Os 27 pontos eletrônicos, que completaram dois anos nessa semana, contribuíram para a redução da violência no município. Os números da Brigada Militar são positivos nos locais vigiados. Pedestres (78%), veículos (57%) e comércio (40%) foram os mais beneficiados. Os furtos de veículos e qualificado também diminuíram: 53 e 72% respectivamente. Em 2008, o município caiu do terceiro para o sétimo lugar no ranking de homicídios no Estado. O secretário Sant´Ana ressalta o trabalho em conjunto realizado em São Leopoldo por meio do Sistema Integrado de Monitoramento (SIM). “A sigla SIM não é casual. Discutimos desde a formação do grupo até as ruas em que seriam colocados os equipamentos”, afirmou.

Para Marcos Vinícius de Oliveira, 13 anos, estudante da 7ª série da escola Otília Rieth a atividade foi interessante. “O bate papo foi bem realista. O padre falou o que estamos vivendo hoje”. Sorridente Jéssica Pless, 16, mora na Vila Tereza e participa do grupo de jovens da Paróquia Beato José de Anchieta. “Achei muito “mara” (gíria utilizada para definir maravilhoso, ótmo) a atividade. É muito bom ver pessoas buscando construir uma sociedade melhor a partir da realidade que vivemos”.

Texto: Lucas Brito de Barros

Fotos: Charles Dias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.